1041

“Nesta rua nº 7 é a entrada para a Casa Allemã”: só se for a entrada dos fundos, pois a foto é da rua da Quitanda, e a Casa Allemã funcionava na rua Direita, que é a primeira paralela.

De qualquer forma, o prédio que mais me chamou a atenção não está no número 7, mas no 17.

Ou no 127, seu endereço atual, já que até a numeração da rua, como quase tudo por ali, se modificou bastante.

Só não se modificou o sobradão, que até hoje assiste impassível às mudanças.

1042

(A foto da década de 1920 é minha mesmo; a atual é do Google Street View.)

Atualização às 14:15: Pouco depois da publicação do post, o Diego Vargas me confirmou que a Casa Allemã tinha, sim, uma entrada pela rua da Quitanda. A loja ficava na rua Direita, mas ia até o fundo do lote, comunicando as duas ruas. A informação está no livro “Cidade-exposição: comércio e cosmopolitismo em São Paulo”, de Heloisa Barbuy. Obrigado, Diego!

As fotos de hoje têm algo em comum com as do post anterior: elas também mostram a São Paulo que um turista viu.

Desta vez o turista é espanhol. As fotos, de 1969, estavam até agora em Valência. Eu as achei à venda em um site, por 50 centavos de euro cada uma, e as repatriei.

E desta vez o turista sabia fotografar um pouco melhor. As fotos têm alguma qualidade técnica, e algumas têm enquadramentos bastante incomuns para fotos de turista.

A primeira foto foi tirada “desde la ventana del hotel”, como diz a anotação no verso. Mas nem precisava dizer: essa vista só poderia ser mesmo de uma janela do antigo hotel Othon, que funcionou até 2008 na praça do Patriarca. O que atraiu o olhar do espanhol pode ter sido a surpreendente mistura: o ecletismo do Teatro Municipal, o art déco do viaduto do Chá e a arquitetura moderna das torres de vidro formam um conjunto de evidente (e muito paulistana) desarmonia.

1031

1032

A arquitetura moderna, por sinal, parece ter impressionado bastante o visitante. Andando pela região central, ele fotografou o Copan, o Itália e o Bretagne.

O Copan ainda estava com seu anexo (aquele prédio mais baixo em que funciona o Bradesco) em final de construção. Já o Bretagne aparece retratado a partir de sua área interna, numa época em que, sem grades nem controle de acesso, podia-se entrar à vontade. Todos os ângulos ressaltam a monumentalidade dos edifícios. 

Além de andar pela região central fotografando prédios, podemos ver que o visitante fez pelo menos mais dois passeios. Em um deles esteve no Instituto Butantan, que hoje em dia é muito pouco frequentado, mas na época fazia parte do roteiro turístico da cidade. 

E no outro foi ao parque do Ibirapuera, onde conheceu o famosíssimo “Monumento a los Cangançeiros”:

1039

1040

Enfim…  Prédios, cobras e cangaço, eis o que este espanhol deve ter voltado dizendo que viu em São Paulo.

 

As dez fotos foram colocadas à venda pela internet, meses atrás. Segundo o site onde eram oferecidas, estavam em Aveiro, Portugal.

Elas devem ser, portanto, registros de uma viagem que algum português, ou portuguesa, fez para cá. Como toda foto de turista que se preze, são bem ruins. Não sei se alguém as comprou, mas antes que isso acontecesse eu as copiei para reproduzir aqui.

As três primeiras são bem de turista mesmo. Foram tiradas do edifício Itália e mostram outros prédios obrigatórios, como o do hotel Hilton, o Copan, a biblioteca municipal e o Louvre (deste último vemos o terraço artachiano, no canto da terceira).

 

A quarta foto também é do centro, e nos dá uma ideia aproximada da data da viagem. Ela é o do vale do Anhangabaú, numa época em que turistas ainda andavam por lá. O vale é um canteiro de obras, cheio de tapumes. A linha leste-oeste do metrô (atual vermelha) está sendo construída. A estação Anhangabaú ficaria pronta algum tempo depois, em 1983.

1024

Nas cinco fotos seguintes, os carros também ajudam na datação. Uma profusão de fuscas, opalas e corcéis, todos da virada dos anos 70 para os 80, transita pelas principais avenidas da cidade: Paulista, Santo Amaro, 23 de Maio, Rubem Berta.

 

E a última foto é do aeroporto de Congonhas, por onde os visitantes estrangeiros chegavam e partiam. Guarulhos seria inaugurado só em 85.

1030

Olhando as fotos hoje, o que mais me chama a atenção é a extrema aridez da São Paulo dos anos 70 para 80. Em dez fotos, mal se vê uma árvore. Mas ler as imagens também implica colocar-se no lugar desse português ou portuguesa que visitava a cidade, e imaginar o que terá atraído seu olhar, quase 40 anos atrás. O que será que ele, ou ela, enxergou nesses enquadramentos?

Tirando a feiura, confesso que não sei.

1019

O lugar mudou bastante, mas é um ponto emblemático da cidade e por isso continua fácil de reconhecer. Estamos na avenida Tiradentes, e o prédio que aparece cortado, à esquerda, é a Pinacoteca do Estado.

A foto, cujo autor desconheço, é de 1967. Nessa época a área já não primava pela beleza, mas os trilhos de bonde, os paralelepípedos e os trólebus da CMTC conseguiam deixá-la um pouco mais simpática.

Com o tempo essas coisas foram saindo da paisagem, sacrificadas em nome da mobilidade urbana. Trilhos, paralelepípedos e trólebus, afinal, atrapalham o trânsito de carros!

Em matéria de mobilidade urbana, aliás, pelo menos uma das intervenções no local foi um tremendo sucesso. Moveu-se o monumento a Ramos de Azevedo, essa gigantesca estrutura de granito e bronze que ficava no meio da avenida, até a Cidade Universitária, onde se encontra hoje. Haja mobilidade!

São Paulo tem algumas coisas que não mudam nunca. Nesta foto, vemos duas.

A primeira é o bonito cenário da foto. Pode não parecer, mas a imagem já tem 53 anos. Mesmo depois de tanto tempo, tudo continua exatamente igual na piscina do edifício Bretagne, na avenida Higienópolis.

A segunda é a cena em si: uma mãe descontraída e seus filhos loirinhos curtindo a piscina, e a babá negra e anônima – a única sem rosto na foto – metida em uniforme branco.

A foto foi tirada em 1965 por um visitante americano e apareceu recentemente à venda em um lote de slides em Brecksville, Ohio. Na época o Bretagne era ponto de parada de excursões, e os turistas entravam para fotografar nossa arquitetura moderna e nossos costumes arcaicos.

1018

Hoje em dia existe um debate muito intenso a respeito de quantas pessoas são necessárias para trocar uma lâmpada.

Se forem portugueses, são necessários três (um para segurar a lâmpada e dois para girar a escada). Já se o sujeito for argentino, aí basta um só (ele segura a lâmpada e o mundo gira em torno dele). Também é necessário apenas um psicólogo, mas neste a caso a lâmpada precisa querer ser trocada. E assim por diante. A discussão é longa e complexa.

A foto é reproduzida de um cartão postal dos anos 40, época em que o conhecimento sobre esse assunto não estava tão desenvolvido. Por isso, em plena avenida 9 de Julho, a prefeitura trocava lâmpadas deste jeito tão rudimentar e singelo.

1016

Palimpsesto é uma palavra de origem grega, que em sentido literal significa “aquilo que se raspa para escrever de novo”.

O google nos ensina que a origem do termo tem a ver com o uso do pergaminho como suporte para a escrita, na antiguidade e na idade média. Um palimpsesto é um escrito que guarda vestígios de outro escrito anterior, que existiu sobre a mesma superfície. Essa prática de apagar para reescrever era comum por razões de economia: o pergaminho era um material escasso e caro, por isso o costume de raspar um texto para fazer outro em cima, sobre seus restos.

Cidades também podem ser lidas como palimpsestos: elas resultam do acúmulo de sucessivos “textos” parcialmente apagados, que guardam sentidos e memórias materiais de diferentes épocas. Compreender uma cidade exige habilidade para reconhecer e decifrar essas diferentes camadas de historicidade, em geral pouco visíveis ao olhar comum.

São Paulo é uma cidade que se desenvolveu marcada por sucessivas demolições e reconstruções, ou apagamentos e reescrituras, e por isso se apresenta como palimpsesto. Uma demonstração disso surgiu neste 1º de maio, em meio à tragédia do Largo do Paissandu. O desmoronamento do edifício Wilton Paes de Almeida fez ressurgir um pequeno vestígio de texto anterior, de uma época em que a cidade era menos brutal e beber Caracu era beber saúde.

1015