896

897

As duas fotos, de um tempo em que São Paulo tinha mais espaço para o futebol, são do Emilio Lucchi, um leitor que sempre colabora com o blog e a quem agradeço a gentileza. Olhando hoje para elas, não é muito fácil reconhecer o local desta partida.

Mas também não é impossível. Uma pista importante são as casas no fundo. Elas existem até hoje, e estão relativamente íntegras.

Eu sei onde é, mas não vou dizer por enquanto. Quero ver se alguém acerta…

Para facilitar, eu fiz uma junção das duas fotos em que dá pra ter uma visão mais abrangente. Clicando na imagem, dá pra vê-la ampliada.

Alguém arrisca um palpite?

 


Atualização em 19 de maio
:  Várias pessoas se manifestaram, tanto aqui como na página do Facebook, mas infelizmente ninguém acertou. Quem chegou mais perto foram o Alexandre Giesbrecht e a Rochelle Costi, que apostaram na 23 de Maio. Eles acertaram a avenida, mas erraram a altura.

Eu também não teria sido capaz acertar. Só sei qual é o local porque o Emilio Lucchi mandou a informação para o blog junto com a foto!

Quem quiser ver como está o local hoje, é só clicar: https://goo.gl/maps/zfmyd9W2poS2. As casinhas continuam todas lá, na rua Estela com a Coronel Oscar Porto, no Paraíso. Algumas delas foram bastante modificadas, mas o conjunto ainda é reconhecível.

A chaminé atrás delas, evidentemente, já não está lá: há muito tempo não existem mais fábricas na região. Mas a maior mudança mesmo ocorreu na frente, onde a avenida 23 de Maio passou por cima do campo de futebol.

A foto, segundo o Emilio, é provavelmente de 1952. Buscando na internet, eu encotrei um interessante depoimento de alguém que conheceu o local ainda com esse aspecto: http://goo.gl/SENGMS.

Mais uma vez agradeço ao Emilio, e também a todos os que mandaram seus palpites!

Os portugueses do post anterior me deixaram bastante decepcionado. Puxa, eles estavam de carro, rodaram a cidade inteira, mas só tiraram foto do museu do Ipiranga??!

Por sorte, ingleses costumam ser mais disciplinados. E estas fotos foram tiradas por um grupo de tripulantes do HMS Delhi, um navio da marinha real britânica que esteve por aqui mais ou menos pela mesma época. Elas faziam parte de um enorme álbum com fotos das várias regiões do Brasil pelas quais o navio passou, que infelizmente foi desmembrado e vendido aos pedaços na internet.

Assim como a dos portugueses, a visita dos ingleses a São Paulo também começou por Santos. A primeira foto, segundo a anotação do verso, é da avenida principal da cidade. O canteiro central com palmeiras me faz acreditar que seja a avenida Ana Costa, mas como não conheço Santos tão bem assim, vou deixar a confirmação para quem conhece. Além das palmeiras,também deve ter chamado a atenção dos ingleses o simpático Armazém Juquiá, que servia cerveja Brahma ali na esquina. Bem santista.

878

A subida da serra não foi de carro, mas de trem, como se vê na segunda foto. E uma vez em São Paulo, os ingleses aparecem bebendo de novo, desta vez “at the English Club”. Deve ser o mesmo clube inglês que até hoje funciona na rua Visconde de Ouro Preto, uma travessa da Consolação.

879

890

Da Consolação, seguimos para uma tal “avenida Carlos de Campos”, e isto nos permite saber a data aproximada da visita. É que durante um curto período, no final dos anos 20, esse foi o nome da avenida Paulista. À esquerda está o Belvedere Trianon, no lugar hoje ocupado pelo Masp.

892

Antes de ir embora, os ingleses deram um pulo no Instituto Butantã. De todos os lugares, é o único que conserva mais ou menos o mesmo aspecto até hoje:

893

Finalmente, a volta a Santos, ao que parece, foi feita de carro. E tão interessante como a foto é a anotação no verso:

“Ypiranga just outside São Paulo on the Santos Road after a shower, so you can imagine what it is like after a storm”.
(Ipiranga, nos arredores de São Paulo, na estrada para Santos logo depois de uma pancada de chuva. Imagine como fica isto depois de uma tempestade.)

A chuva atrapalhou a viagem de carro. Quer coisa mais atual em São Paulo que isso?

895

As quatro fotos são uma excursão que um alegre trio de portugueses  fez a São Paulo no final de 1922.

A primeira foi tirada na “sahida da cidade de Santos para São Paulo”, e os portugueses já estão a bordo do automóvel. Não conheço Santos o suficiente para saber que lugar é esse. Mas sei, pela placa A.2571, que o carro era alugado. É que no sistema usado na época, que vigorou entre 1901 e 1941, as placas começavam com P para carros particulares, e A para carros de aluguel.

872

873

A segunda foto é a que eu acho mais interessante.  Aqui encontramos os excursionistas à porta do “Recreio Rio Grande”, onde parecem ter dado uma parada para esticar as pernas. Infelizmente nem tudo o que está escrito na fachada do estabelecimento é legível, mas com um certo esforço eu consegui distinguir algumas palavras: “bebidas”, “especialidades”, “refrescos”, “sandwiches”.

Pelo nome do estabelecimento, estamos provavelmente no atual distrito de Riacho Grande, em São Bernardo do Campo. Na época, a região era conhecida como Rio Grande.

874

E chegando a São Paulo, os portugueses não perderam tempo: foram direto para o museu do Ipiranga, onde bateram mais duas fotos. Nelas eles aparecem com outros dois personagens: um homem de quepe, que deve ser o motorista, e um garoto de pés descalços que talvez trabalhe como guia, recebendo os turistas que chegam ao museu.

Gosto de pensar que o garoto recebeu dos portugueses uma generosa gorjeta. E fico pensando onde terá ido parar o resto do álbum, pois não quero crer que esses gajos fizeram uma viagem dessas até aqui para visitar só o museu e tirar só quatro fotos.

875

876

Pode não parecer, mas o desenho é da esquina das ruas Lavapés e Scuvero, no Cambuci. Para não me deixar mentir, no fundo à esquerda está a igreja Nossa Senhora da Glória.

Essa construção gigantesca é a “Fabrica de Chapeos Dante Ramenzoni & Cia”. Fundada em 1894, ela funcionou neste lugar até encerrar as atividades, em meados da década de 1970. No processo de falência, o terreno de 18 mil metros quadrados acabou virando propriedade do governo do estado, que implodiu a fábrica em 1988 para construir uma subestação da Eletropaulo.

Hoje, o local está como na foto abaixo. Reparem como a igreja não mudou nadinha. E também vale a pena ler a matéria sobre a implosão da fábrica, no Jornal do Brasil de 25 de julho de 1988.

A primeira imagem é de um cartão publicitário da Ramenzoni, provavelmente dos anos 20. A foto atual é do Google, e a matéria do Jornal do Brasil é reproduzida do site da jornalista que a assina (linadealbuquerque.com).

A imagem acima é de um antigo slide de 35 mm, com a data de revelação impressa na moldura (outubro de 1960), mas sem nenhuma indicação de local. Mesmo assim, desde que a vi, eu desconfiei que fosse de São Paulo.

A fim de confirmar essa impressão, fui pesquisar os jornais da época. Não foi difícil descobrir que a American Marietta SA Tintas e Lacas de fato teve uma fábrica em São Paulo, inaugurada por volta de 1955. O endereço, citado em vários anúncios, era em Santo Amaro: rua Piratininga 84, esquina com o número 3504 da avenida João Dias.

Para ter certeza mesmo, fui atrás da imagem aérea de São Paulo em 1958, disponível na internet. E, de fato, pude ver que o que existia nessa esquina (local assinalado pela seta) era muito compatível com o slide. Dá para distinguir tanto o galpão da fábrica como a torre de concreto à sua direita. A partir daí, já não tive mais dúvidas…

866

É claro que, de 1960 pra cá, muita coisa mudou na esquina em questão. A rua Piratininga mudou de nome, e hoje se chama Dr. Rubens Gomes Bueno. A avenida João Dias teve alterada a numeração, e o antigo 3504 corresponde ao atual 1800. A fábrica da American Marietta foi demolida, e seu lugar foi ocupado por outra indústria, muito mais poderosa. Hoje existe lá um templo da Igreja Universal do Reino de Deus.

867

(O slide de 1960 é de autoria desconhecida; os dois anúncios são, respectivamente, da Folha da Manhã de 29 de novembro de 1959 e do Correio da Manhã de 4 de maio de 1955; a imagem aérea é do site geoportal.com.br; a imagem atual é do Google.)

Pelo enquadramento torto, pela falta de foco e pela composição estranha, a foto parece ser daquelas que a gente tira sem querer, esbarrando por acidente o dedo no disparador. Fotografar em cores nos anos 50 era muito caro, e eu não acho que alguém ia desperdiçar uma pose de kodachrome com uma foto tão mal feita como esta.

De qualquer maneira, acidental ou não, a foto não só ficou bonita como também acabou mostrando muita coisa interessante sobre São Paulo. Eu gosto em especial da mulher negra com criança no colo e trouxa de roupas na cabeça, disputando a cena com um homem branco de terno alinhado: um contraste social frequente no centro de São Paulo, nessa e em qualquer outra época.

Do outro lado da rua, os cartazes colados no muro anunciam os últimos dias de apresentação do Gran Circo Norte Americano. Por esse detalhe, é possível saber que a foto é de 1951, 1954 ou 1957, que são os anos em que esse circo passou por São Paulo. Pelos modelos dos carros, eu acho que está mais pra 51.

O terreno atrás do muro funcionava, pelo jeito, como estacionamento. Ele continuou com esse uso por muito tempo, e só em 2014 virou prédio de apartamentos. O site do empreendimento explica que esse lugar oferece “entretenimento, lifestyle, urbanidade, arquitetura de ponta e conveniência urbana”. Tudo isso em apartamentos de 18 metros quadrados, sobre os quais eu já falei em outro post.

No fundo do terreno, um outdoor anuncia os produtos da Fundição Brasil SA. Esta empresa tinha fábrica na Mooca, onde produzia banheiras de ferro esmaltado, numa época em que a cidade crescia como nunca e os apartamentos já eram produzidos no atacado, talvez com menos “lifestyle”, mas com espaço para banheira.

E por fim, lá no alto, na empena de um edifício, outro anúncio (infelizmente não se sabe de quê) exibe um endereço em letras garrafais: rua da Consolação, 73. O endereço é de uma loja que fica no térreo do próprio prédio. Tentei descobrir o que havia lá nos anos 50, mas não consegui. Hoje é uma agência do Banco do Brasil.

O registro foi feito no início do viaduto 9 de Julho, com o fotógrafo de costas para o hotel Jaraguá. Gosto de pensar que, se tivesse sido tirada de propósito, a foto não carregaria tanta informação.

A imagem é reproduzida de um slide de 35 mm. Vale a pena clicar nela para ver melhor os detalhes.

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 500 outros seguidores