Do bairro-jardim à casa-bunker

502

As duas fotos dos anos 30, que colocadas lado a lado formam uma só imagem, são da esquina das ruas México e Alasca, no Jardim América. Loteado pela Cia City, o bairro era na época, e continua sendo até hoje, um dos mais caros e luxuosos da cidade.

Mas hoje é difícil reconhecer a esquina. Ela está muito diferente.

503Não sei se a casa é a mesma, profundamente deformada, ou se a derrubaram para construir outra do zero. Só sei que hoje existe lá uma autêntica casa-bunker, dessas em estilo neoclássico, cercadas por muro bege, que só se comunicam com o mundo exterior por meio de interfones, câmeras de segurança e homens de terno preto. As casas dos vizinhos, se é que o conceito de vizinhança se aplica a quem mora assim, seguem  o mesmo padrão.

As fotos dos anos 30 são de Carlos Niederecker (1887-1976). A foto atual é reproduzida do Google Street View.

E a expressão “casa-bunker” é roubada de um trabalho fabuloso que andei lendo esta semana: o livro “Palavracidade”, do Nivaldo Godoy.

Atualização em 30 de abril:  Fiquei muito feliz, hoje, ao receber uma mensagem de Maria Cecilia França Monteiro da Silva.  Ela me conta que esta casa (a original, não a atual) era da sua família, e que ela própria morou lá por quase dez anos. A casa pertencia à sua avó, falecida em 1971, e foi vendida no ano seguinte.  “O jardim era primorosamente cuidado e toda a vizinhança admirava as flores, cujas sementes eram trazidas da Europa por minha avó”, conta Maria Cecilia.  E embora a casa tenha sido demolida quando já não pertencia mais à família, seus alicerces foram mantidos. São a única coisa preservada da casa original, construída nos anos 20 pelo escritório Ramos de Azevedo. Fico feliz em saber que o post foi lido por alguém para quem a casa tem tanto significado. Deixo aqui meu agradecimento a Maria Cecilia pela gentileza de ter compartilhado parte de suas lembranças conosco.

12 comentários
  1. Maria Sylvia disse:

    Com certeza absoluta é uma casa bunker num terreno que demoliram as casa anteriores.
    Passo todos os dias em frente e acompanhei a Reconstrução ….

  2. Essa casa foi a residência do Comandante do 2o. Exército, não sei se ainda é.

  3. Exato, nos anos 80 os muros eram mais baixos e com uns dois PE’s vigiando tudo.

  4. Nelson disse:

    O projeto original da City para o Jardim America continua grandes espaços nos centros das quadras para uso comum dos lotes desses quateirões. Mais tarde foram vendidos a um ou mais desses proprietários. Eu morei na Rua Antilhas e cheguei a vê-los quando visitei uma das casas vizinhas.

  5. Nelson disse:

    Quis dizer continha e não continua. A casa do comandante do Segundo Exército era na rua Groenlândia, esquina com a praça que existe no fim da Rua Venezuela (hoje se chama Praça Salua N. Abbud)

  6. Maria Sylvia disse:

    Exatamente : era a casa do Gal. Amaury Kruel e na Rua Groelandia !! Fica mais próxima da Av. Europa.
    Esta da foto fica mais perto da Av. Brasil e Av. Nove de julho.

  7. José Adolpho da Silva Gordo Filho disse:

    Estão transformando os Jardins em um novo Morumbi. Demolem duas, três casa e fazem uma mega-mansão fortaleza. São os refugiados do Morumbi que estão fugindo dos assaltos e destruindo os bairros mais bonitos da cidade. É um desastre urbano completo.

  8. José Adolpho da Silva Gordo Filho disse:

    Que me desculpem os amigos mas essa casa não era a residência do Comandante do 2º Exército.

  9. Nelson disse:

    Nasci na Rua Antilhas e depois de muito tempo fui morar na Rua Polonia. Meu escritório era na esquina da Groenlândia com a Gabriel Monteiro da Silva. Passei muitas vezes e durante muitos anos em frente da casa do Comandante do 2º exército na Rua Groenlândia. Certa vez cheguei a conversar com o sentinela a respeito de uma pessoa suspeita que estava nas redondezas. Pode ser que depois da década de oitenta essa residência tenha mudado para outro local, mas até essa época era lá.

  10. é muito triste tudo isto! minha geração lutou pela liberdade e paz, mas ainda os herdeiros da ditadura e do fascismo impera – este bunker é expressão de tudo.

  11. ruyacquaviva disse:

    Agora só falta subir um pouquinho mais o muro e colocar uma marquise em cima. Aí vira um caixão, ou mausoléu, perfeito. Isso é vida?

  12. Michel disse:

    Gostaria de ver as fotos das casas de vocês, da fachada ao menos, com a rua aparecendo, claro.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: