Região da Paulista

Mariana Pabst Martins é uma leitora que acompanha o blog com carinho. E o carinho é tanto que ela resolveu compartilhar conosco três fotos de um álbum deixado por seu avô, Roberto Pabst (1887-1970), que estavam guardadas até hoje.

A primeira foi tirada em 1919 e mostra a casa em que a mãe de Mariana nasceria no ano seguinte. A casa ficava na esquina da alameda Santos com a rua Leôncio de Carvalho, no Paraíso, e a família está reunida na varanda. Dá pra ver que a família estava crescendo: a parte de cá da casa é claramente uma ampliação, bem mais nova que o restante…

Até recentemente, a Leôncio conservou casas como as que aparecem mais ao fundo, na parte esquerda da foto. As três últimas foram demolidas em 2012, e hoje no lugar delas está sendo construído um gigantesco edifício comercial.

742

A segunda foto também é de 1919, e mostra uma paisagem irreconhecível do Paraíso. Hoje em dia é difícil acreditar, mas estamos a cerca de uma quadra da avenida Paulista.

743

E a terceira foto é a que eu mais gosto. Segundo Mariana, ela é de 1921 e foi feita de outra casa da família, na rua Arujá 45, também no Paraíso. Eu acho que foi tirada em direção à Paulista, e o que sugere isso é o predinho mais alto que aparece à esquerda. Parece ser o Instituo Pasteur, que está até hoje na Paulista 393. Será que estou certo?

744

30 comentários
  1. Ricardo dAvila disse:

    Espetacular! Parabéns para quem enviou e ao Martin que divulgou.

  2. Martin,

    a) Muito legais as fotos. Vai publicar outras do álbum?

    b) Na foto 3, fiquei com bastante dúvida. Talvez não seja o Pasteur, pelo ângulo da foto e pela posiçào na quadra (o Pasteur fica bem na esquina, e na foto a rua que desce fica um pouco afastada do edificio). Poderia ser a Escola Rodrigues Alves? Mas também acho que não.
    Olhando no mapa, a posição da casa 45 da Rua Arujá não parece que daria esse ângulo para a Paulista, parece que seria um olhar mais na direção do Centro e da região onde hoje está o Metrô Vergueiro ou Paraíso.
    Além disso, tem a questào da altitude. A Rua Aruja fica na encosta, e não se se seria possível ver a Paullista desse ângulo desde lá.

    c) Nas fotos 2 e 3 aparecem algumas araucárias, não é? Será que haveria um bom número, originalmente, nessa região?

  3. Sheila disse:

    Martin,

    Pode apostar que é o prédio do Pasteur. Compare com o prédio atual – o formato do telhado, o número de janelas…

  4. cristina consoni disse:

    Lindo, queria muito ter vivido nessa época, dói o coração ver o estãdo que está a cidade hoje em dia, parece que são poucos que tem um amor verdadeiro por nossa cidade

  5. Cupertino disse:

    Desculpem-me por mais um palpite, mas o prédio do “inst.Pasteur” não é o que aparece na foto; primeiramente pelas referências do Sr.José Carlos, em segundo lugar porque o instituto tem apenas cinco janelas, mesmo nas laterais, e, nos fundos, umas quatro, em três pavimentos. O telhado do casarão da foto é mais amplo, tem outro desenho, revelando uma construção bem maior. Além disso, talvez em 1921, o sobrado do instituto ainda ostentasse uma “água furtada”, à guisa de miradouro, no topo do seu telhado. Espetacular mesmo esse material também!

  6. o paraiso sofreu mudanças radicais,tenho fotos do meu pai jogando futebol de varzea atras do colegio bandeirantes,onde hoje passa a avenida 23 de maio,rsrs,morava atras da catedral ortodoxa em frente a brahma,o largo da guanabara e a igreja que ficavam ali desapareceram
    quanto a foto3 a minha impressão é de estar olhando em direção a Aclimação

  7. Na foto 3, se fosse a Paulista, não deveriam aparecer outros casarões da avenida? Por outro lado, se fosse a vista em direção à Aclimação, deveria aparecer uma descida bem íngreme, em direção ao que é hoje o vale da Av. Armando Ferrentini. Está difícil.

  8. Talvez a vista seja em direção à Vila Mariana e o predinho seja o do Colégio Alemão, na Eça de Queiroz.

  9. a antiga rua Tupinambás hoje Eduardo Amaro(fala sério, porque mudaram o nome dessa rua?)dava num paredão,do outro lado do muro havia um barranco,esse predio maior da foto3 ficaria aproximadamente no inicio da rua do paraiso,mas se a foto foi tirada mesmo da residencia,quase na apeninos,não sei se teria vista para o vale do ibirapuera,em caso afirmativo essa sugestão é boa

  10. Obrigado a todos pelos comentários e palpites. No final das contas, eu não consegui decidir se o tal prédio é ou não o Instituto Pasteur. Mas fiquei feliz com o debate gerado pelo post! 🙂

  11. Joao Marcos disse:

    Analisando no Google Maps, a distáncia entre o local e o provável Instituto Pasteur seria de apenas 1,2 km em linha reta.

    Se você avaliar a localização da rua Arujá, você percebe que não seria possível enxergar a frente do Instituto, mas sim sua lateral.

    Essa foto ( http://www.scielo.br/img/revistas/hcsm/v11n3/10×15.jpg ) mostra a casa lateralmente, do angulo que provavelmente a pessoa estaria enxergando na ocasião da foto… percebe-se que a disposição das janelas é diferente da frontal.

    Logo que vi as discussões, pensei na Casa das Rosas, mas a construção só iniciou no fim dos anos 20, sendo concluida no meio dos anos 30, então também não seria, até pelo tipo de arquitetura… e penso que naquela epoca, pelas fotos que vimos, nao tinham tantos palacetes colados lado a lado… os espacos eram razoaveis entre uma e outra, principalmente na direcao do Paraiso

  12. para ajudar no quebra -cabeça,o desnivel da rua aruja no numero 45 em relação a paulista é de ~20m pelo google earth,e se olharem com lupa a casa em questão parece ter uma sacada no andar superior ,no centro
    lugar ermo demais,praticamente desabitado,olhando os mapas historicos isso corresponderia a aclimação ou para o lado do ibirapuera,como parece se avistar a serra da cantareira ao fundo,ainda fico com a impressão de aclimação/cambuci no meu chute,com poucas referencias,fica bem dificil

  13. Beatriz Rivadávia disse:

    Não tenho a menor idéia da localização, mas adorei ouvir todos os palpites!

  14. amaury disse:

    também, a pessoa que bateu a foto não usou geotagging…… assim fica difícil! 😉

  15. Alan disse:

    Poxa muito boas as fotos. Consegue saber mais detalhes da segunda? Parece ser batida da Rua Vergueiro em direcao a Bernardino de Campos com o vale do Itororó (23 de maio) no meio?

  16. Oi Martin. Essa foto reapareceu num grupo do Facebook e eu fui pesquisar. Depois de muito matutar, eu excluo a possibilidade de ser o Instituto Pasteur por quatro motivos:

    1) A visada não confere. Se foi de fato tomada em 1921 do atual nº 45 da Rua Arujá (fica na parte alta da rua) a Avenida Paulista não estaria tão despovoada e a Escola Rodrigues Alves (inaugurada em 1919) já estaria bem na frente do Pasteur, impedindo a visualização.

    2) Na hipótese de que a foto seja bem mais velha, do início do século, o Pasteur ainda não teria passado pela reforma de 1916 que o deixou em estilo eclético e teria essa aparência aqui:

    3) O número e a posição das janelas do Pasteur (antes e depois da reforma) não bate com o que se vê na foto.

    4) A conformação do relevo também não confere.

    Minha hipótese, tomada com base no detalhado mapa topográfico de São Paulo feito em 1930.
    http://www.arquiamigos.org.br/info/info37/i-mosaico1000.htm

    5) A foto foi feita dos fundos da casa, apontando em direção ao bairro da Aclimação (na época ainda em ocupação), mais precisamente em direção às cercanias da praça General Polidoro.

    6) A baixada despovoada, que se vê à direita na foto, é o fundo do vale do córrego que ficava na parte baixa da Rua do Paraíso (na atual Avenida Armando Ferrentini), que na época ainda não estava urbanizado.

    7) A casa que parece ser o Pasteur seria, na realidade, a mansão que ocupava – com um extenso jardim no entorno – o terreno onde, nos anos 1950, foi erguido o Condomínio Parque da Aclimação (conjunto Kowarick) na esquina Rua Castro Alves com Rua Rodrigo Cláudio. No mapa topográfico, essa mansão aparece na junção das plantas 51-22 com 51-23.


    Eu moro na Aclimação, mas não tenho idéia do que era essa mansão e esse enorme jardim que a cercava em 1930. É algo a ser pesquisado. Você sabe se o porque do nome Kowarick no conjunto? Teria a ver com os prédios ou seria na verdade uma herança da antiga casa? Os Kowaric foram uma família muito rica de industriais do ramo textil em São Paulo na primeira metade do século XX.

    Gande abraço;

    André Lopes

  17. Atualizando o comentário acima: a construção que aparece na planta de 1930 é o “castelo dos Kowarick” ou “chateau dos Kowarick”, que deu o nome informal do atual condomínio. O Jorge Cunha Lima o descreve assim:

    “Depois havia o Chateau dos Kowarick. Só posso chamá-lo assim, porque imitava um castelo austríaco, num parque de 1 alqueire de terra. Tinha poço artesiano, quando faltava água abriam os portões para os comuns dos mortais. Tinha um carro Tatra, com motor atrás. Nurses vestidas como freiras e cachorros galgos que iam passear pelas ruas, levados por empregados, para tanto, destinados.”

    http://jorgedacunhalima.ig.com.br/index.php/2010/10/20/parque-da-aclimacao-querem-roubar-o-nome/

    Ainda não achei nenhuma foto dele, mas deve haver por aí.

    André Lopes

  18. Só achei na internet alguns vislumbres dos jardins e de poucos detalhes do Castelo dos Kovarics.

  19. Jose Bueno Franco Neto disse:

    André Lopes, acho que você matou a charada. Inclusive dá para ver nitidamente o traçado em curva da Rua Rodrigo Claudio, em direção à Castro Alves. E o imóvel em frente poderia ser o de Rodrigues Alves, mencionado no blog do Jorge da Cunha Lima (no link que vc forneceu). Só estou achando que o imóvel maior não tem muita cara de castelo austríaco, mas achei a sua hipótese melhor que todas as anteriores. Boa!

  20. Oi Jose Bueno. Concordo contigo que esse prédio é um pouco modesto para ser um “castelo austríaco”, mesmo dando o desconto de ser um castelo nas memórias infantis do Cunha Lima.

    Mas há um ponto a considerar: se a mansão dos Kovarick dava frente para a Rua Castro Alves, como parece que era o caso, isso que a gente vê na foto é o lado de trás da casa, que talvez fosse menos imponente e ornamentado que a fachada.

    Abs.

  21. A foto 3 me passa a impressão,já havia comentado no meu 1 post que foi feita no paredão do barranco,que continua lá,no fim da antiga rua Tupinambás(atual Eduardo Amaro) em direção a Aclimação, e não na casa da rua Aruja,que é muito proxima

  22. Caros, vejo aqui que voces possuem um bom acervo de fotos da Aclimação. Me permitam perguntar se possuem alguma informação sobre o prédio que está na rua Pires da Mota,838. Pois no mapa que achei no link http://www.geoportal.com.br/memoriapaulista/ para com a Rua Pires da Mota, já em 1958 esse prédio existia. Achei em alguns lugares que esse já pertenceu à Rádio Eldorado, Banco Sul América e hoje Senac. Sabem informar mais detalhes ou fotos dessa rua onde conste esse prédio ? Forte abraço a todos !

  23. Alan disse:

    No numero 838 era a PullSport uma companhia de malhas e roupas. Ao lado dele era o prédio da Radio Eldorado (eram prédios colados). Hoje, o Senac unificou as duas construções.

  24. Oi Valmir, veja só que coincidência: meu pai trabalhou nesse prédio da Pires da Mota 838. A empresa se chamava Sertep S.A. Engenharia e Projetos. Não lembro das datas exatas, mas ela funcionou nesse endereço, se não me engano, na segunda metade dos anos 80 e começo dos 90.

  25. Martin e José Bueno: encontrei nessa semana, em no livro Ös Melhoramentos de São Paulo”, sobre o prefeito Prestes Maia, essa foto da praça General Polidoro, de frente para a Rua Esmeralda, na qual se vê ao fundo o tal Castelo dos Kovarics, no alto do morro. Nessa foto ele aparece num ângulo diferente da foto anterior: vemos a fachada frontal e um pouco da lateral; enquanto que na foto original ele é visto pelos fundos. Mas o que me chama atenção é o detalhe na cumeeira e a curvatura do telhado, que surge nas duas imagens. Ele também parece mais atarracado que na outra, mas as casa na frente estão cobrindo a visão do térreo, só vemos o andar superior.

    Será que matamos a charada?

    https://goo.gl/photos/RLj9RFxwZqHcnW6o6
    https://goo.gl/photos/hR64YhEd8rWXYybg9

  26. Obrigado pelo comentário, André!
    É possível que vc tenha matado a charada sim, se bem que nesta discussão eu estou me sentindo um pouco como a Glória Pires na cerimônia do Oscar: não sou capaz de opinar!
    De qqr forma, não consigo contradizer nada do que vc diz..

  27. Essa foto do Polidoro é muito legal, André! Eu não tenho mais dúvida nenhuma. Mesmo antes dessa última foto, já tinha ficado claro, principalmente pelo traçado da Rua Rodrigo Claudio, quem conhece essa rua vai reconhecer logo. Abs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: