Indústria brasileira

A imagem acima é de um antigo slide de 35 mm, com a data de revelação impressa na moldura (outubro de 1960), mas sem nenhuma indicação de local. Mesmo assim, desde que a vi, eu cismei que era de São Paulo.

Para confirmar, fui pesquisar os jornais da época. Não foi difícil descobrir que a American Marietta SA de fato teve uma fábrica em São Paulo, inaugurada por volta de 1955. O endereço, citado em vários anúncios, era em Santo Amaro: rua Piratininga 84, esquina com o número 3504 da avenida João Dias.

Para ter certeza mesmo, fui atrás da imagem aérea de São Paulo em 1958, disponível na internet. E, de fato, pude ver que o que existia nessa esquina (local assinalado pela seta) era muito compatível com o slide. Dá para distinguir tanto o galpão da fábrica como a torre de concreto à sua direita. A partir daí, já não tive mais dúvidas…

866

É claro que, de 1960 pra cá, muita coisa mudou na esquina em questão. A rua Piratininga mudou de nome, e hoje se chama Dr. Rubens Gomes Bueno. A avenida João Dias teve alterada a numeração, e o antigo 3504 corresponde ao atual 1800. A fábrica da American Marietta foi demolida, e seu lugar foi ocupado por outra indústria, muito mais poderosa. Hoje existe lá um templo da Igreja Universal do Reino de Deus.

867

(O slide de 1960 é de autoria desconhecida; os dois anúncios são, respectivamente, da Folha da Manhã de 29 de novembro de 1959 e do Correio da Manhã de 4 de maio de 1955; a imagem aérea é do site geoportal.com.br; a imagem atual é do Google.)

Atualização em 29 de outubro: Descubro hoje mais duas fotos da fábrica. Não são a cores, como a primeira, e a intenção do fotógrafo parece ter sido mostrar os veículos da empresa, e não o local. De qualquer forma, achei as imagens interessantes e resolvi colocá-las aqui, como registro…

8 comentários
  1. Para ser Comprador, bastava “ginasial completo”…

  2. Beatriz Rivadávia disse:

    Acho absolutamente incrível esse seu gosto por pesquisar essas imagens (bacana, não é uma crítica!). E virou e mexeu e foi dar?????? Numa Assembléia de Deus…..O q mais se poderia esperar desse espaço? Arreh!

  3. Paulo R Razza disse:

    Morei por perto dali a partir de 1964 até 2001. A avenida não existia até meados dos anos 70. Era uma faixa de asfalto com calçadas aleatórias. No local, nos anos 70 se bem me lembro, havia um grande “outdoor” da Mobil. Me lembro também que houve um estacionamento de guindastes e caminhões. No local diametralmente oposto era a garagem da Empresa São Luís Viação, a companhia que servia a região, onde hoje é uma loja de material de construção.
    A região era repleta destas empresas, química, mecânica, eletrônica. A Semikron ficava por perto, mais para cima, a Squibb, mais para baixo, perto da ponte João Dias, a Pial. Hoje é tudo terra contaminada com condomínios de luxo por cima. Não deixa de ser uma justiça poética…

  4. O estado das vidraças parece indicar que a industria não estava mais em operação

  5. As vidraças estão inteiras! Eu também tive a impressão de que elas estão quebradas, mas depois vi que estão apenas refletindo as folhas das palmeiras…

  6. Posso te assegurar que não tenho nada a ver com essa The Martin Company.🙂

  7. Guilherme Pereira disse:

    Parabéns, lindo trabalho de detetive. O que teria sido uma foto desconhecida de um lugar desinteressante, que a gente só olharia por alguns segundos e só geraria pensamentos esparsos, agora é um pequeno mundo eternizado num cantinho da nossa cidade. Quantas centenas de pessoas devem ter ido lá todos os dias, quanta vida e esforço deve ter girado ao seu redor… Fascinante.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: